Início Destaques PF deflagra nova fase de operação contra tráfico e lavagem de dinheiro

PF deflagra nova fase de operação contra tráfico e lavagem de dinheiro

131
0

Powered by WP Bannerize

Polícia Federal deflagrou na manhã desta quinta-feira (22) a segunda fase da Operação Jumbo, que tem como objetivo combater crimes de tráfico de drogas e lavagem de dinheiro praticado pelo Comando Vermelho em Mato Grosso. Ao todo, 32 mandados estão sendo cumpridos. O dinheiro do crime era aplicado em postos de combustíveis, mineradora e transportadora.

Um dos principais líderes do esquema, é o empresário Tiago Gomes de Souza, conhecido como ‘Baleia’, dono do posto Jumbo, localizado na rodovia Palmiro Paes de Barros e de outro posto na Miguel Sutil. Ele foi preso na primeira fase da operação.

De acordo com as informações apuradas pelo GD, são 23 mandados de busca e apreensão e 9 de prisão preventiva expedidos pela 7º Vara Criminal. Os presos já começaram a chegar na sede da PF em Cuiabá. Quatro postos de combustíveis são alvos da ação, um deles é Alecrim, localizado no bairro Jardim Costa Verde em Várzea Grande.

Além das prisões e das apreensões, foi determinado ainda o sequestro de diversos bens nas cidades de Cuiabá-MT, Várzea Grande-MT, Cáceres-MT, Alta Floresta-MT, Mirassol DOeste-MT, Pontes e Lacerda/MT, Palmeira DOeste/SP, Boa Vista/RR e Mucajaí/RR.

Investigação

Segundo a PF, a nova fase tem como base a análise dos celulares dos investigados presos na primeira fase da operação. Um deles é o líder da organização criminosa. Sabe-se que a quadrilha movimento cerca de R$ 350 milhões em 4 anos.

Os investigados podem responder pelos crimes de lavagem de capitais (art. 1º, caput, da Lei nº 9.613/98) e organização criminosa (art. 2º, caput, da Lei nº 12.850/13), cujas penas somadas podem ultrapassar 18 anos de prisão.

Na primeira fase, a investigação ganhou corpo após o Grupo Especial de Fronteira e a Inteligência da Polícia Militar interceptar dois carregamentos de cocaína. A droga apreendida totalizou 210 kg.

Foi descoberto estão que a quadrilha comprava a droga em Porto Esperidião, guardava em Mirassol D’Oeste e depois fazia a distribuição por Cuiabá. Eles movimentaram R$ 350 milhões em 4 anos.

Fonte: Gazeta Digital

Powered by WP Bannerize