Início Destaques Emanuel diz ser perseguido pela Deccor e pede investigação contra delegado

Emanuel diz ser perseguido pela Deccor e pede investigação contra delegado

18
0

O prefeito Emanuel Pinheiro (MDB) acionou a Corregedoria Geral da Polícia Civil para que investigue suposto uso político da Delegacia Especializada de Combate à Corrupção (Deccor) contra sua administração. O requerimento foi divulgado nesta terça-feira (22).

O prefeito reclama da atuação do delegado Eduardo Botelho, que seria alinhado com o governador Mauro Mendes (DEM) para prejudicar sua gestão.

A Prefeitura de Cuiabá foi alvo de algumas operações da Deccor, sendo a mais recente a Operação Overpriced, que investiga suposto superfaturamento na compra de medicamentos pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Na ocasião, Emanuel já demonstrava irritação com a atuação da delegacia.

Assim, forte em tais elementos de corroboração, requer-se, com fundamento no que dispõem o art. 41, inc. III, do Regimento Interno da Polícia Judiciária Civil (Decreto 1.875, de 26 de março de 2009)13 e o art. 219, inc. XV14, da Lei Complementar nº 407, de 30 de junho de 2010, que sejam tomadas providências para se apurar os fatos aqui expostos“, diz o documento.

Estou entrando, no início desta tarde, com uma representação junto à Corregedoria Geral da Polícia Civil do Estado com denúncias muito sérias, com indícios fortíssimos que remetem à falta de isenção, ao direcionamento, ao abuso, à perseguição política e ao uso do aparelho estatal – Deccor, com o intuito de me atingir e de atingir à minha administração”, disse.

Emanuel disse não ser contra a apuração de denúncias contra sua gestão, desde que haja embasamento e imparcialidade. Ele afirmou ainda que respeita a instituição Polícia Judiciária Civil e a Deccor, mas que, ao longo de diversas operações e ações judiciais, o uso político da máquina estatal tem induzido ao erro tanto o Ministério Público quanto o Poder Judiciário.

Estou direcionando nesta denúncia os verdadeiros responsáveis, a partir do governador do Estado, para alimentar essa repugnante perseguição política contra o prefeito da capital do Estado de Mato Grosso”, afirmou.

Imagem: Jorge Pinho

PMC

Deixe uma resposta