Início Cidades Com 180 mil analfabetos em Mato Grosso, Educação tem desafios extras

Com 180 mil analfabetos em Mato Grosso, Educação tem desafios extras

116
0

Powered by WP Bannerize

Educação em tempo integral, combate à evasão escolar, acesso à tecnologias e fortalecimento do ensino superior, são algumas das ações anunciadas pelo novo gestor do Ministério da Educação (MEC), Camilo Santana. Especialistas locais do setor pontuam desafios que o ministro deve enfrentar após avaliações oficiais apontarem deficits em todas as áreas da educação em Mato Grosso, bem como no país.

Últimos dados da Secretaria Estadual de Educação (Seduc) apontam que, no Estado, cerca de 180 mil pessoas são analfabetas. Dados do Mapa do Ensino Superior no Brasil 2022, do Instituto Semesp, apontam que em Mato Grosso o número de trancamentos nos cursos presenciais passou de 7.523 em 2019 para 15.941 em 2020. São 8.418 pessoas que decidiram parar os estudos em apenas um ano, o que representa um crescimento de 112%.

Ao analisar estes dados e outros expostos por avaliações oficiais, o mestre em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Bartolomeu José Ribeiro de Souza, afirma que são muitos os obstáculos enfrentados pelo novo gestor do MEC. Mas ele destaca, em sua concepção, os dois principais: garantir a qualidade da aprendizagem a todos os estudantes e também a qualificação dos professores. “Sobretudo na educação base. As avaliações oficiais mostram que nossas crianças não estão aprendendo o que deveriam aprender

Além disso, enfrentamosum sério problema de seleção negativa, já que dados do Exame Nacional do Ensino do Médio (Enem) mostram que alunos que ingressam nos cursos de licenciatura são aqueles com menor proficiência na prova. Isso é básico”.

Souza destaca que os dois últimos anos foram literalmente uma “prova de fogo” para a educação e infelizmente o coronavírus veio para piorar o que já não estava bem.

“Houve um aumento significativo da evasão escolar. Agora é necessário fazer busca ativa e para isso deve-se haver uma
parceria entre União, Estado e Municípios. Porque a evasão escolar vai muito além da sala de aula. Ela envolve a assistência social, saúde, infraestrutura. Uma cultura que ainda não há no Brasil e precisa ter um trabalho intersetorial”.

Mas ele destaca, em sua concepção, os dois principais: garantir a qualidade da aprendizagem a todos os estudantes e também a qualificação dos professores. “Sobretudo na educação base. As avaliações oficiais mostram que nossas crianças não estão aprendendo o que deveriam aprender. Além disso, enfrentamos um sério problema de seleção negativa, já que
dados do Exame Nacional do Ensino do Médio (Enem) mostram que alunos que ingressam nos cursos de licenciatura são aqueles com menor proficiência na prova. Isso é básico”.

Souza destaca que os dois últimos anos foram literalmente uma “prova de fogo” para a educação e infelizmente o coronavírus veio para piorar o que já não estava bem.

“Houve um aumento significativo da evasão escolar. Agora é necessário fazer busca ativa e para isso deve-se haver uma
parceria entre União, Estado e Municípios. Porque a evasão escolar vai muito além da sala de aula. Ela envolve a assistência social, saúde, infraestrutura. Uma cultura que ainda não há no Brasil e precisa ter um trabalho intersetorial”.

Fonte: Gazeta Digital

Powered by WP Bannerize